terça-feira, 27 de novembro de 2012

AGRICULTORAS RURAIS FALAM DE ANOS DE SECA NO MUNICÍPIO COMO PIORES DO ESTADO

  Nesta segunda-feira 26 de novembro estivemos logo cedo aproximadamente as 05h00min horas da manhã acompanhado as trabalhadoras rurais e irmãs Ana Ilza da Silva e Ana Maria da Silva no resgate ao passado e as suas origens. Na visita realizada nas lembranças de suas infâncias estivemos no sitio Bela Vista onde moram e conviveram durante muitos no período de 1989.
O motivo de acompanharmos as agricultoras foi para relatar um pouco das dificuldades enfrentadas por anos de seca onde eram esquecidas quando os anos eram prolongados pelo castigante sol quer acabava com a esperança das famílias. Ana Maria pode voltar a sua residência onde conviveu na humildade mais quer sempre conservou a promessa de dias melhores, mesmo quer para isso tivesse quer deixar a sua família.
Anos maravilhosos vivi nesta minha casinha de taipa, onde éramos sobreviventes de muitas realidades, mais quer nunca desistimos de sermos alguém no futuro”. Disse Ana Maria.
 Já Ana Ilza relembrou os tempos em quer dedicava-se as brincadeiras oferecidas a ela quando não estava na roça ajudando aos seus pais. O espaço para divertimento era em cima de uma cisterna ao lado de sua residência onde a maior parte do tempo era brincando de boneca de pano.
Para entendermos melhor esta matéria precisamos fazer um analise dos tempos em quer anos de seca nordestina eram vivenciadas pela dificuldade chamada pobreza. Hoje nossas esperanças envelhecem no sol castigante ou ainda na sede oferecida pelo desgaste da água quer bebemos.
O maior objetivo de nosso futuro é quer anos ainda virão! E nossas famílias estarão cada vez mais enfrentando tempos de seca e dificuldades no rio grande do norte chamado falta de água e sabedoria para o consumo da mesma. Entendeu?